Superesportivo Lexus LFA é uma das estrelas do Salão de São Paulo

19/10/2012 - 05:45

Impulsionado por potente motor V10 de 4,8 litros, que rende a potência máxima de 560 cv a 8.700 rpm e o torque de 48,9 kgfm a 7.800 rpm, o cupê superesportivo de tração traseira LFA é o ápice da busca pela perfeição que guia a Lexus desde seu surgimento, em 1988, apresentando uma nova proposta de veículo esportivo para o século 21. Sua premissa é tão simples quanto ousada: oferecer experiência suprema ao dirigir.

Apresentado ao público no Salão de Tóquio de 2009 e equipado com um sistema de transmissão automático de seis velocidades sequencial, o LFA atinge a velocidade máxima de 325 km/h e vai de 0 a 100 km/h em 3,6 segundos.

A adoção do sistema VVT-i, que controla o tempo de abertura das válvulas de admissão e otimiza tanto a admissão quanto a exaustão, e a utilização de bicos injetores de alto volume contribuem para que 90% do formidável torque do LFA esteja disponível já a partir dos 3.700 rpm, permitindo acelerações e retomadas vigorosas em qualquer velocidade e em qualquer marcha.

Com o baixo peso em ordem de marcha de apenas 1.580 kg, obtido por meio do uso extensivo de fibra de carbono de alta resistência no chassi e na carroceria, e explosivos 560 cv de potência máxima, o LFA entra na arena dos supercarros com uma relação potência/peso de 377,9 cv por tonelada. A combinação da alta taxa de compressão de 12:1, componentes internos com baixa fricção e fluxos otimizados de admissão e exaustão rendem ao motor a excepcional relação de 116,5 cv por litro, uma das mais altas no mundo dos supercarros.

Além da alta performance, o propulsor do LFA também se destaca pelo ronco característico, uma verdadeira assinatura do modelo. O time de acústica do projeto, com ajuda da Yamaha, que também produz instrumentos musicais, estudou o som inconfundível dos monopostos de Fórmula 1. O resultado do trabalho trouxe um ronco único, semelhante aos dos bólidos mais rápidos do mundo, capaz de tirar o fôlego de qualquer aficionado por carros superesportivos.

O LFA é montado artesanalmente na fábrica de Motomachi, no Japão. O processo de construção é minucioso e menos de 20 unidades são fabricadas por mês. A produção total do LFA será de apenas 500 unidades, numeradas, denotando o caráter exclusivo do veículo. Para o Brasil, uma unidade estará disponível.

O desenvolvimento de um supercarro

Os engenheiros optaram por iniciar o projeto LFA do zero. Partindo de uma folha em branco, a equipe chegou a 500 fatores chave, itens que o novo carro obrigatoriamente deveria ter. Tudo começou com o desenvolvimento do motor V10 e, no meio de 2003, foi construído um primeiro protótipo. O circuito de Nürburgring, na Alemanha, teve papel determinante no nascimento do LFA. Em outubro de 2004, pela primeira vez um LFA acelerou para testes na famosa pista alemã.

Nos anos de 2008 e 2009, o LFA (ainda como protótipo), que já utilizava fibra de carbono ao invés de alumínio, participou de uma das mais exigentes provas automobilísticas do mundo: as 24 Horas de Nürburgring. O objetivo era levar o modelo ao limite nas condições mais extremas possíveis. A confiança da equipe era tanta que, em maio de 2009, Akio Toyoda, presidente mundial da Toyota, foi um dos pilotos da equipe LFA na tradicional competição.

Design
Com um design limpo, fluido e atlético, o LFA transpira estilo em cada uma de suas curvas e angulações. Seu visual inovador é imediatamente associado à Lexus pela presença das três principais características da filosofia de design da marca, L-finesse. Com raízes tanto na milenar cultura japonesa quanto na contemporânea, a L-finesse busca expressar racionalmente três elementos fundamentais: simplicidade incisiva, elegância intrigante e antecipação contínua.

Guiadas pelo layout do motor frontal, do grande entre-eixos, das pequenas saliências, da aerodinâmica sofisticada e da cabine rebaixada e aconchegante, as linhas do LFA fluem do teto ao assoalho, indo naturalmente do convexo ao côncavo. O avançado conjunto ótico do modelo inclui faróis de xenônio de alta intensidade e luzes de freio em LED. Refletindo o mantra de funcionalidade em primeiro lugar que guiou toda a concepção do carro, os espelhos retrovisores foram projetados não apenas para oferecer excelente visibilidade, mas também para canalizar ar frio para as entradas de ar traseiras do LFA.

Ao abrir a porta do LFA, é revelado um cockpit rebaixado, montado artesanalmente com os materiais mais avançados, que reflete a dinâmica do carro, totalmente voltada ao motorista. A intimista cabine com dois lugares foi concebida em todos os parâmetros – ergonomia, acústica, conforto, versatilidade e visibilidade – para colocar o condutor no centro da equação da dirigibilidade.

A cabine é dividida de forma lógica em três áreas. A primeira é a mecânica, o esqueleto que enfaticamente sublinha a performance do LFA. A segunda é a humana, com os assentos que abrigam os ocupantes confortavelmente, mesmo em situações de direção extrema.